Arquivo da categoria: Comportamento

Não se engane, SUICÍDIO: é preciso falar sobre esse problema

Fonte: Carolina Dantas, Globo, http://glo.bo/2cVALtW

Enquanto o suicídio segue sendo um assunto sobre o qual se fala pouco, o número de pessoas que tiram a própria vida avança silenciosamente. No Brasil, o índice perde apenas para homicídios e acidentes de trânsito entre as mortes por fatores externos (o que exclui doenças). Em todo o mundo, entre os jovens, a morte por suicídio já é mais frequente que por HIV. Entre idosos, assim como entre pessoas de meia-idade, os índices também avançam.

Falar de suicídio, na maioria das vezes, é falar de depressão. Falar de depressão, no entanto, não necessariamente é falar de suicídio. O G1 ouviu dois psiquiatras e uma psicóloga especializados para ajudar a esclarecer um assunto que, segundo eles, ainda é negligenciado:

Qual é o perfil do suicida?

Um dos estudos mais completos sobre o tema, feito pelos pesquisadores Daiane Borges Machado e Darci Neves dos Santos, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), analisou dados do Sistema de Informações sobre a Mortalidade Brasileira (SIM), Datasus e IBGE entre os anos 2000 e 2012 no Brasil. As pessoas que mais se suicidaram foram as menos escolarizadas, indígenas (132% mais casos que na população em geral) e homens maiores de 59 anos (29% a mais que as outras faixas etárias).

O Mapa da Violência de 2014 (levantamento mais recente) também aponta uma alta de 15,3% entre jovens e adolescentes no Brasil, de 2002 a 2012. O suicídio é predominante no sexo masculino, com exceção da Índia e China. Os homens brasileiros têm 3,7 vezes mais chances de se matar que as mulheres, de acordo com o estudo da UFBA.

Tem sido registrado um aumento no número de suicídios em todas as faixas etárias: crianças, jovens, adultos e idosos, como afirma o Mapa: “Os suicídios no país vêm aumentando de forma progressiva e constante: a década de 1980 praticamente não teve crescimento (2,7%); na década de 1990 o crescimento foi de 18,8%, e daí até 2012, de 33,3%”. Os especialistas entrevistados pelo G1 demonstraram especial preocupação com os jovens, que tem se suicidado cadas vez mais, e os idosos que são a faixa com o maior índice – 8 suicídios para cada 100 mil habitantes, a maior do Brasil, segundo o Mapa da Violência.

Neste mês, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou a cartilha anual de recomendação para a prevenção do suicídio. Nela, são apontadas 15 causas frequentes que influenciam na retirada da própria vida, como o uso de álcool e drogas, perda ou luto e outros transtornos mentais, como a esquizofrenia. A maior parte dos casos são executados por pessoas com depressão, independente de sexo, faixa etária ou qualquer outra característica.

Por que homens?

“A diferença [de taxas] entre os gêneros é geralmente atribuída a maior agressividade, maior intenção de morrer e uso de meios mais letais entre os homens”, concluiu o estudo da UFBA. Ainda segundo o texto, as mulheres “são mais religiosas, o que pode se tornar um fator de proteção”.

O psiquiatra Rubens Pitliuk, do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, diz que a principal razão para os homens conseguirem efetivamente tirar a própria vida é a forma como eles tentam se matar. “Suicídio em homem é mais violento que em mulher. As mulheres em geral tentam [se matar] tomando comprimidos. É mais difícil a mulher se jogar de uma janela”, explica.

Uma pesquisa de uma universidade do Canadá, de 2008, encontrou a associação da mortalidade por suicídio com a tendência de expor sentimentos. A taxa era menor nas regiões onde os homens eram mais propensos a falar sobre o que sentiam.

 (Foto: Arte/G1)
(Foto: Arte/G1)

Por que jovens?

O relatório da OMS afirma que “as tentativas de suicídio de adolescentes estão muitas vezes associadas a experiências de vida humilhantes, tais como fracasso na escola ou no trabalho ou conflitos interpessoais com um parceiro romântico.”

Já para o psiquiatra José Manoel Bertolote, consultor da OMS e autor do livro “O Suicídio e sua Prevenção”, o aumento das taxas entre jovens e adolescentes já está bem documentado, mas ainda são necessários mais estudos para entender as causas.

“Estudos feitos na cidade de São Paulo sugerem que a falta de perspectivas de vida para muitos jovens — insegurança física e econômica, desemprego ou falta de acesso — aliada à desatenção e ao despreparo do sistema público de saúde agravam ainda mais a situação”, avalia.

A psicóloga Karen Scavacin, uma das revisoras do documento “Preventing Suicide – A Global Imperative”, elaborado pela OMS, considera que há, também, características do perfil dos jovens que devem ser levadas em consideração. “Tanto a criança quanto o jovem tem uma impulsividade alta (…), ele ignora a irreversibilidade da morte”.

O acesso fácil a meios de incentivo também foi apontado pela psicóloga, que vê uma alta nos casos de cyberbullying — bullying feito pelas redes sociais e internet — e que é fator contribuinte para o aumento das taxas entre adolescentes. “Hoje em dia é muito fácil você pesquisar como cometer um suicídio em qualquer mídia social. As pessoas não levam em consideração quando um adolescente ou uma criança fala que pretende se matar e isso deve ser uma das coisas que mais influencia”.

Todos os especialistas entrevistados avaliam que, neste caso, os pais e amigos tendem a achar que um comportamento agressivo pode ser confundido com uma fase difícil, como um comportamento clássico de adolescente.

“Um adolescente às vezes tem uma depressão não diagnosticada que vai aparecer como agressividade. Não é aquela depressão que as pessoas imaginam de ficar na cama, de não fazer mais nada. O adolescente sente muita dificuldade de pedir ajuda”, completa Scavacin.

 (Foto: Arte/G1)
(Foto: Arte/G1)

Por que os idosos?

De acordo com Bertolote, o aumento do suicídio entre idosos ocorre em maior parte também entre o sexo masculino. “Nessa idade observamos o acúmulo de problemas de saúde, em sua maioria doenças crônicas e incuráveis, muitas vezes dolorosas ou de tratamento penoso, associado a um isolamento social progressivo, causados pela viuvez, separações, distanciamento de filhos e netos, por exemplo”.

Para Scavacin, há o fato de que os idosos planejam por mais tempo e por isso conseguem concluir o ato. “Para cada quatro tentativas do idoso, temos um suicídio completo. Se a gente pensar em um adolescente, são 200 tentativas para cada um suicídio completo. Ou seja: o adolescente tenta mais, mas o idoso chega a cometer mais o suicídio”. disse.

 (Foto: Arte/G1)
(Foto: Arte/G1)

Como salvar alguém?

Bertolote é objetivo na hora de “aconselhar” como ajudar: “Para o leigo é, sobretudo, se dispor a se aproximar de alguém que demonstra estar sofrendo ou que apresenta mudanças acentuadas e bruscas do comportamento, ouví-lo e, se não se sentir capaz de lidar com o problema apresentado, ir junto em busca de quem possa fazê-lo mais adequadamente, como um médico, enfermeiro, psicólogo ou até um líder religioso”.

De acordo com os médicos, o ideal é que a pessoa seja encaminhada a um psiquiatra e seja medicada. E, no mundo ideal, que tenha um acompanhamento de um terapeuta e o apoio da família.

Outro fator importante é que os medicamentos levam um certo tempo para surtir efeito. Por isso, os primeiros 30 dias após uma tentativa de suicídio e o início do tratamento são os que precisam de mais atenção.

 (Foto: B. Boissonnet/BSIP/AFP)
(Foto: B. Boissonnet/BSIP/AFP)

Para Pitliuk, uma boa campanha de conscientização, como ocorreu com a da Aids no Brasil, deve ser feita para a depressão. “A população precisa ser mais bem informada de que depressão é uma doença e tem tratamento. Boa parte das vezes, a pessoa se sente mal e não sabe que tem depressão. Se soubesse o nome da doença, talvez procurasse ajuda. E muitas vezes a família não percebe que ela está deprimida”, explica.

O psiquiatra diz que é importante quebrar o medo dos antidepressivos que, em casos de suicídio, são fundamentais. “O remédio é necessário se o paciente tem uma depressão clínica, em que já existem os sintomas físicos – queda de energia, dores no corpo, dores de cabeça, boca seca – ou seja, o organismo inteiro está depressivo. Agora, se você puder juntar o remédio com a ida a uma terapia, é melhor do que só o remédio. Se só puder escolher um, é melhor receitar o antidepressivo”, considera.

Na rede pública, os psiquiatras e a psicólogoa apontam que o caminho é procurar os Centros de Apoio Psicossocial (CAPS). Por lá, é possível marcar uma consulta com um psiquiatra ou psicólogo. O Centro de Valorização da Vida (CVV), fundado em 1962 em São Paulo, faz um apoio emocional e preventivo do suicídio pelo número 141.

Veja mitos comuns sobre o suicídio

  • ‘Quem fala, não faz’ – Não é verdade. Muitas vezes, a pessoa que diz que vai se matar não quer “chamar a atenção”, mas apenas dar um último sinal para pedir ajuda. Por isso, os especialistas pedem que um aviso de suicídio seja levado a sério.
  • ‘Não se deve perguntar se a pessoa vai se matar’ – É importante, caso a pessoa esteja com sintomas da depressão, ter uma conversa para entender o que se passa e ajudar. Não tocar no assunto só piora a situação.
  • ‘Só os depressivos clássicos se matam’ – Não. Existe o depressivo mais conhecido, aquele que fica deitado na cama e não consegue levantar. Mas outras reações podem ser previsões de um comportamento suicida, como alta agressividade e nível extremo de impulsividade. Os médicos, inclusive, pedem para a família ficar atenta ao momento em que um depressivo sem tratamento diz estar bem: muitas vezes ele pode já ter decidido se matar e tem o assunto como resolvido.
  • ‘Quando a pessoa tenta uma vez, tenta sempre’ – A maior parte dos pacientes que levam a sério o tratamento com medicamentos e terapia não chegam a tentar se matar uma segunda vez. O importante é buscar a ajuda.

 

Fonte: Globo, http://glo.bo/2cVALtW

Lar e Família

Impureza

Há tantas moças atrevidas, mulheres com habilidade para se fazerem notar, que procuram a companhia de homens, cortejam-lhes a atenção e namoram homens casados ou solteiros, que a menos que tenham os olhos em Cristo, firmes como aço, sereis enleados na rede de satanás. Como embaixadora de Cristo admoesto-vos não deis lugar nem por um momento a uma sugestão impura pois isso mancharia a alma, assim como a água impura contamina o canal pelo qual flui.

Lar Adventista p. 333

Aproveite os pequenos momentos

Aproveite os pequenos momentos

A maioria de nós nunca ganhará um grande prêmio. O Nobel. Oscars. Tonys. Emmys.

Mas todos temos pequenos prazeres na vida. Um tapinha nas costas. Um elogio. Um beijo. Um bolo delicioso. A lua cheia. Uma vaga no estacionamento perto da entrada. Uma fogueira. Um delicioso jantar. Sopa bem quentinha. Suco gelado.

Não perca tempo pensando nos grandes prêmios que você nunca recebeu. Aproveite os pequenos momentos, e você será muito mais feliz.

United Technologies Corporation

Faça!

Superação

Você tem duas opções. Ou você faz, ou você deixa que as coisas aconteçam. Deixar que as coisas aconteçam é fácil. Não é necessário nenhum esforço da sua parte. O problema é que, dessa forma, quase nunca as coisas vão ser do jeito que você gostaria que elas fossem.

A outra opção é fazer. Isso requer o seu envolvimento de forma ativa. Você vai precisar de esforço, bem como foco, dedicação, disciplina e persistência. Estas coisas parecem difíceis, e são mesmo. Mas só porque são difíceis não significa que você deva evita-las.

Quando você faz o que é necessário para realizar algo, você vai conseguir os resultados que quer. A única maneira de você conseguir o que quer da vida é investir nela o que você tem de melhor. E a única forma de fazer isso é através do seu esforço e das suas ações.

É claro que você pode arriscar e deixar as coisas acontecerem. É capaz mesmo de você ter sorte, embora isso raramente aconteça. Ou, você pode dar um passo à frente, dar o melhor de si todos os dias, e fazer. Essa é a única maneira garantida de construir a vida que você quer.

Ralph Marston

Harvard: Sim, existe um segredo para ter mais saúde e vida plena

Palestra-Robert-Waldinger-TED-imagem-2

Você acredita que exista fórmulas para viver uma vida plena e mais saudável? Existem diversos livros de auto-ajuda, ideologias, filosofias. Qual escolher?

Pois um estudo da Universidade de Harvard, ao longo de 75 anos, mostra que a fórmula é bem simples. Fácil? Não, não é tão fácil, mas é muito simples: “a chave para ser feliz e ter saúde está nos relacionamentos interpessoais“. As pessoas buscam soluções rápidas, mas os relacionamentos são construídos ao longo de anos, por isso não é fácil. Não existe fórmula mágica, mas existe um segredo, e vai depender do seu esforço. Vale a pena, construa novos e bons relacionamentos e viva melhor!

Veja na íntegra:

Um dos estudos mais longos realizados até agora com o objetivo de avaliar quais são alguns dos fatores que mais proporcionam felicidade e longevidade concluiu que a chave para ser feliz e ter saúde está nos bons relacionamentos interpessoais. Coordenado por pesquisadores da universidade Harvard ao longo de quase oito décadas, o The Study of Adult Development (Estudo do Desenvolvimento Adulto) acompanhou a vida de 724 pessoas.

Desde 1938, os cientistas monitoram dois grupos: o primeiro formado por alunos da própria Harvard; e o segundo composto por jovens que, nos anos 1930, moravam nos bairros mais pobres de Boston. Sessenta homens que participaram do estudo ainda estão vivos, a maioria com mais de 90 anos.

Desde a adolescência até a velhice, os participantes foram entrevistados periodicamente acerca de seu trabalho, sua vida pessoal e sua saúde, além de passarem por exames médicos. “Para obter uma imagem mais nítida dessas vidas, não nos limitamos a lhes enviar questionários. Nós os entrevistamos em suas salas, obtivemos seus registros médicos, colhemos sangue, observamos o cérebro deles, falamos com seus filhos e gravamos em vídeo as conversas deles com suas mulheres sobre suas maiores preocupações”, explica o psiquiatra Robert Waldinger, atual coordenador da pesquisa.

Em palestra numa conferência da TED, realizada nos Estados Unidos em novembro do ano passado, ele ressaltou que estudos como esse são extremamente raros. “Quase todos os projetos desse tipo acabam ao fim de dez anos porque muitas das pessoas abandonam o estudo, ou porque não há mais financiamento para a investigação, ou ainda pelo fato de os investigadores se desinteressarem pelo projeto ou morrerem, e ninguém mais os substituir. Mas, por uma feliz combinação de sorte e de persistência de várias gerações de investigadores, esse estudo sobreviveu”, observou.

Com base na longa investigação, o pesquisador disse que foi possível concluir que não são a riqueza nem a fama que garantem felicidade e longevidade. “Ao chegar à idade adulta, muitos participantes acreditavam que a fama e a riqueza e as grandes realizações fossem tudo de que necessitavam para ter uma vida boa. Mas, ao longo desses 75 anos, nosso estudo provou inúmeras vezes que as pessoas que se saíram melhor foram as que se apoiaram nos relacionamentos em família, com os amigos e com a comunidade. Portanto, a mensagem mais clara que obtivemos desse estudo de 75 anos é esta: As boas relações nos mantêm mais felizes e com mais saúde. Ponto final!”, Waldinger ressaltou.

Créditos: Fotolia
De acordo com o Estudo do Desenvolvimento Adulto, pessoas satisfeitas com suas relações desfrutam de melhor saúde física e mental ao chegar à velhice. Créditos: Fotolia

O psiquiatra citou três grandes lições sobre relacionamentos extraídas a partir do estudo norte-americano: (1) conexões sociais fazem bem para os seres humanos; já a solidão, mata; (2) a qualidade das relações é mais importante do que a quantidade; e (3) relacionamentos felizes e duradouros protegem a saúde física e mental.

No entanto, ao mostrar em sua palestra que “uma vida boa se constrói com bons relacionamentos”, Robert Waldinger questionou por que a maioria das pessoas ignora esse fato, buscando felicidade em outras fontes. Para ele, “o que gostaríamos mesmo é de uma receita rápida, qualquer coisa que pudéssemos arranjar que nos desse uma vida boa e a mantivesse dessa forma”. Como lembra o psiquiatra, investir nos relacionamentos exige um esforço maior. Afinal, os relacionamentos podem passar por momentos conturbados, além do fato de que nem sempre é fácil lidar com a família e os amigos.

Porém, como foi comprovado cientificamente por aquela que é uma das universidades mais famosas do mundo, as pessoas que têm ligações sociais com a família, com os amigos e com a comunidade, são mais felizes, fisicamente mais saudáveis e vivem mais tempo. “A experiência da solidão se torna tóxica. As pessoas que são mais isoladas descobrem que são menos felizes, que sua saúde piora mais depressa na meia-idade, que seu funcionamento cerebral diminui mais cedo e que vivem menos tempo do que as pessoas que não se sentem sozinhas”, afirma Waldinger. Ao mesmo tempo, no decorrer do estudo, os cientistas constataram uma triste realidade: mais de 20% dos norte-americanos avaliados informaram que se sentiam sós.

ESTUDO DA SEGUNDA GERAÇÃO

A equipe de pesquisadores de Harvard pretende agora entrar em uma segunda etapa da investigação: estudar mais de 2 mil descendentes dos participantes do estudo original. O objetivo será identificar como as experiências da infância influenciam a saúde na meia-idade. [Márcio Tonetti, equipe RA/Com informações do site Ted.com]

Fonte: Revista Adventista