Arquivo da categoria: Meditação de Pôr do sol

Uma porta se abriu

Pôr do sol

Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o Seu costume, e levantou-Se fará ler. Lucas 4:16

Luciana era estudante de Direito em uma universidade de Itabaiana, Ser­gipe. Por assistir às aulas no período da noite, enfrentava problemas com as disciplinas ministradas às sextas-feiras.
 
Nos primeiros semestres da faculdade, os alunos não tinham a possibi­lidade de cursar algumas matérias em campi distintos e períodos opostos. Felizmente, a partir do segundo ano do curso, essa proposta foi aceita pelos coordenadores. Sem demora, Luciana passou a fazer na sexta-feira pela ma­nhã, no campus de Aracaju, as matérias que caíam no sábado.
 
Contudo, havia cinco matérias que nunca eram oferecidas em outros campi nem em outros períodos. Sendo assim, ano após ano, Luciana dei­xava para trás essas disciplinas, sempre pensando em como conseguiria se formar.
 
Finalmente, a estudante chegou ao último semestre da faculdade. Com medo de não conseguir se formar, ela fez a seguinte oração: “Senhor, sabes que eu preciso me matricular nas matérias restantes. Por favor, permita que eu consiga fazer essas disciplinas em Aracaju em um turno só, e que não seja no período noturno!”
 
Quando foi se matricular, Luciana ficou emocionada ao perceber que todas as matérias que sempre caíam na sexta-feira à noite em seu campus, agora estavam em dias distintos e se encaixavam perfeitamente em sua gra­de. Quatro das disciplinas seriam oferecidas de segunda a quinta-feira no campus de Itabaiana, e a última, na sexta-feira de manhã, em Aracaju.
 
A estudante pôde concluir sua graduação sem transgredir o sábado.
 
Luciana também notou a direção de Deus em outros momentos do cur­so. Certa vez, sentiu forte impressão de que deveria prestar a prova da Or­dem dos Advogados do Brasil (OAB), mesmo antes de terminar a faculdade. Em apenas 20 dias de preparo, conseguiu passar com êxito nas duas fases da prova.

 
Luciana Vieira Floresta
União Leste Brasileira

Resposta inesperada

por do sol

Conceda-te segundo o teu coração e realize todos os teus desígnios. Salmo 20:4

Deus reserva bênçãos especiais para os que Lhe são fiéis. Esse é o caso da família de Estela e Ricardo Medina.
 
Quando o casal realizou o primeiro seminário de enriquecimento espiri­tual, entendeu que deveria dar um passo de fé. Estela e Ricardo não apenas se propuseram a ser fiéis a Deus na devolução do dízimo, mas decidiram dar uma oferta na mesma porcentagem do dízimo.
 
No fim de 2012, Estela tomou a decisão de iniciar um empreendimento pessoal desafiador: fazer e vender trabalhos manuais especialmente volta­dos para atividades com as crianças. O empreendimento foi iniciado sob o nome de: Mãos com Arte. Deus abençoou o empreendimento e Estela começou a vender seu artesanato nas reuniões trimestrais e no colégio adventista em que sua filha Lúcia estuda.
 
Deus abençoou o empreendimento, e Estela, agradecida, decidiu não apenas devolver o dízimo e dar suas ofertas, mas também dar uma oferta das “primícias” dos primeiros três meses de trabalho. Seu empreendimento continuou crescendo, graças a Deus.
 
No início de 2013, a igreja que eles frequentavam estava iniciando os preparati­vos para o IV Campori de Desbravadores da DSA. Havia grande expectativa. Como família, eles sempre foram ligados ao clube. Com esforço, juntaram o dinheiro para que Lúcia pudesse participar. Havia alegria e o sonho parecia uma realidade.
 
O filho mais velho dos Medina, Cláudio, tinha o mesmo desejo de assis­tir ao campori. Ele estava distante, em outra cidade, trabalhando por conta própria. Tinha tudo planejado, pois com o dinheiro de seu trabalho poderia viajar e assistir ao campori, em Barretos, SP.
 
Contudo, seus empreendimentos não se concretizaram como esperado e, por fim, Cláudio telefonou para a mãe para dizer-lhe que não poderia ir ao campori. Condoída pelo filho, Estela não sabia o que dizer.
 
Na manhã do dia seguinte, durante o culto, Deus a impressionou com a ideia de que o “Mãos com Arte” iria pagar a viagem. Ligou para o filho, contou-lhe o ocorrido e pediu que orasse, porque ela necessitaria de muito trabalho. Deus proveu tudo para que Cláudio participasse do campori, o que foi uma experiência marcante na vida desse adolescente.
 
Estela Medina
Buenos Aires, Argentina

Fidelidade

fazenda

“Tornai-vos para Mim, e Eu Me tornarei para vós outros, diz o Senhor dos Exércitos. ” Malaquias 3:7

Francisco Senna era um bom administrador de fazendas e conduzia bem sua casa e seu trabalho. Por meio de um membro da igreja adventista, ele conheceu a Palavra de Deus e foi batizado. No entanto, as coisas começaram a se complicar depois do batismo. Por obedecer aos mandamentos de Deus, passou a enfrentar dificuldades no trabalho. Mesmo assim, Francisco e sua esposa tinham a convicção de que estavam no caminho certo.

Ofertas de trabalho nunca faltaram. Entretanto, sempre que se negava a trabalhar do pôr-do-sol de sexta-feira ao pôr-do-sol de sábado, as pessoas zombavam dele e se retiravam.

Com a falta de trabalho, a situação financeira começou a apertar em casa. Por isso, Francisco, mais conhecido como Chicão, resolveu fazer um pacto com Deus. Ele prometeu que sua vida dependeria unicamente de Deus e que a partir desse dia não esperaria mais das outras pessoas para encontrar trabalho e passaria a atuar de forma independente. Francisco dedicou sua vida a levar outras pessoas a Jesus e, agradecido, manteve-se fiel nos dízimos e ofertas.

Durante algum tempo, exerceu a profissão de fotógrafo, mas as coisas continuavam difíceis. Foi então que aprendeu o trabalho de pedreiro e se dedicou a essa profissão. Por ser muito caprichoso e detalhista, ganhou a confiança e respeito dos clientes, prosperando em suas atividades.

A mudança foi grande, pois, durante 25 anos de sua vida, Francisco havia administrado fazendas. Contudo, esse tempo não foi suficiente para realizar seu sonho de adquirir uma casa. Em cinco anos como pedreiro, Chicão conseguiu realizar seu sonho e pôde desfrutar a paz e a tranquilidade de servir a Deus.

Aqueles que diziam que Francisco enfrentaria problemas por ser fiel aos princípios divinos hoje o veem como um vitorioso.

Francisco Senna
União Centro-Oeste Brasileira

Título sem manchas

Pôr do sol

“E acrescentou: O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do Homem é senhor também do sábado. ” Marcos 2:27-28

Juan Rivera Cárdenas nasceu na linda cidade de Ayacucho, centro do Peru. Apesar de suas rendas limitadas, o jovem decidiu ingressar no curso de Assistência Social, na Universidade Nacional de Huamanga de Ayacucho. Ao iniciar os estudos, ele fez um pacto com Deus: ser fiel na observância do sábado, qualquer que fosse a situação. Nos quatro primeiros semestres de estudos, embora com algumas dificuldades, conseguiu viver essa experiência sem grandes complicações. Às vezes, Deus usava os colegas de classe, que se uniam a ele, para que as atividades acadêmicas não ocorressem no sábado, como exames, entrega de trabalhos e outras. Depois, porém, as circunstâncias mudaram. Seus amigos notaram que Juan era totalmente diferente deles – não fumava, não participava de festas, não frequentava discotecas, não consumia bebidas alcoólicas -, e isso os levou a marginalizá-lo e a deixa-lo desamparado em suas lutas.

No quinto semestre, as “provas” se tornaram mais adversas. Como parte do programa curricular, ele se matriculou no curso de Teoria Social, importante para sua carreira. O curso era ministrado por um professor conhecido na universidade por ser ateu. Esse professor não lhe deu nenhuma opção para guardar o sábado. Alguns de seus amigos e professores recomendaram que ele assistisse às aulas e fizesse as provas até se formar e então poderia guardar o sábado e frequentar sua igreja, “como os outros fazem”.

Juan, porém, decidiu firmemente ser fiel ao Senhor do sábado e disse a si mesmo: “Não obterei um diploma manchado por profanar o sábado. ” Com muita tristeza, Juan teve que interromper os estudos. Aparentemente, todas as portas haviam se fechado. No entanto, depois de algum tempo, Juan teve uma nova oportunidade em outro curso, em outro lugar e outra universidade.

Hoje, Juan cursa o oitavo semestre de Contabilidade na Universidade Peruana Unión, com sede em Ayacucho, no Programa de Educação a Distância (Proesad). Além disso, foi abençoado com um empreendimento próprio, que iniciou pequeno e hoje é uma importante referência em sua região.

Juan Rivera
União Peruana do Sul