amor de Jseus

Pela Porta da Fé

amor de Jseus

Púlpito com Poder

Este sermão é um oferecimento do Departamento de Comunicação da
Associação Paulista Sudoeste

Pela Porta da Fé

Introdução

A experiência de ser salvo, justificado ou considerado justo, é uma questão individual entre o pecador e Deus. Não pode ser alcançada nem recebida por procuração. Há somente uma porta de entrada para essa experiência: “a porta da fé”.

“Fé é a condição pela qual Deus considerou justo oferecer perdão aos pecadores; não que haja qualquer virtude na fé, pela qual a salvação se torna merecida, mas porque a fé pode se apegar aos méritos de Cristo, o remédio provido para o pecado” (Ellen G. White, Review and Herald, 4 de novembro de 1890).

3. A fim de confundir o pecador, bem junto a essa porta, a da fé, o inimigo de toda a justiça colocou outra porta, mais ampla e visível: a porta das obras.

I. A Porta das Obras
1. Através dessa porta, muitos peregrinos que estão a caminho da Canaã Celestial se extraviam, inconscientemente, tomam a vereda que conduz à perdição, e, mais cedo ou mais tarde, descobrirão que as vestes da justiça própria não passam de “trapos de imundícia.” (Isaías 64:6)

a) Quantos há que estão perdendo o Céu, em consequência de pensar que devem alcançá-lo realizando algo meritório para obter o favor de Deus. Buscam tornar-se melhores por seus
próprios esforços. Mas jamais conseguirão realizar isso.

2. Outros “parecem pensar que Jesus virá a eles no derradeiro momento de sua luta, e os ajudará acrescentando-lhes o toque final a seu esforço próprio. Parece difícil compreenderem que Cristo é um Salvador completo, capaz de salvar totalmente todos quantos vêm a Deus
por meio dEle” (Ellen G. White, Review and Herald, 5 de março de 1890).

II. Reconhecer sua Condição
1. Sem a graça de Jesus, o pecador está numa condição de desesperança; nada pode fazer. Mas mediante a graça de Cristo, poder sobrenatural lhe é comunicado. Poder que opera na mente, no coração e no caráter. Dessa forma o pecado é discernido em sua odiosa natureza.

2. Mas o que é esse “poder sobrenatural”?
É um poder muito acima de qualquer coisa que reside no ser humano.
Está além de qualquer coisa a que possamos nos apegar neste mundo. É todo o poder “no Céu e na Terra” que Cristo declarou ter recebido.

a) Esse é o mesmo poder sobrenatural que Jesus comunica a Seus filhos, e que opera na mente e no caráter de cada um deles.

3. Porém, essa obra maravilhosa de transformação não é realizada sem o consentimento e a decisão do pecador.

O exercício da fé é nossa parte na grande transação pela qual os pecadores se tornam santos. Mas devemos nos lembrar de que não há virtude salvadora nenhuma na fé em si, que torne o pecador merecedor da salvação.

Unicamente Cristo é o “remédio” provido para o pecado. E a fé é o ato pelo qual o desesperançado pecador lança mão do remédio.

a) “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus;
não de obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2:8, 9)

III. Fé demanda Ação
1. Entrar pela porta da fé, na plenitude da justiça imputada/atribuída e comunicada,
envolve mais do que um mero assentimento mental às provisões oferecidas por Deus.

2. A fé deve ser o umbral através do qual a pessoa se apropria da graça que a purifica.

3. Para ultrapassar esse portal precisamos preencher certos requisitos:
a) Deve haver a cessação da prática de todo pecado conhecido. “[…] ninguém pode trajar-se das vestes da justiça de Cristo, praticando pecados conhecidos ou negligenciando deveres conhecidos.

Deus requer inteira entrega do coração, antes que a justificação tenha lugar” (Ellen G. White, Review and Herald, 4 de novembro de 1890).

b) Disposição para pagar o preço. “A salvação […] é a pérola de grande preço. Na parábola, o negociante é representado como vendendo tudo o que possuía para conseguir a posse de uma pérola de grande valor (Mateus 13:45, 46). Essa é uma bela representação dos que apreciam a verdade tão altamente que colocam o reino de Deus em primeiro lugar na vida” (Ellen G. White, Review and Herald, 8 de agosto de 1899).

c) Inteira renúncia dos maus hábitos. “Alguns há que estão buscando a boa pérola. Mas não fazem uma renúncia completa de seus maus hábitos. Não morrem para o próprio eu para que
Cristo viva neles. Por isso, não encontram a preciosa pérola” (Ibid.).

d) O poder da vontade em cooperação com Deus. “O Senhor não tem por desígnio que o poder da nossa vontade seja paralisado; mas, em cooperação com Deus, esse poder pode ser eficaz
para o bem” (Ellen G. White, Review and Herald, 1º de novembro de 1892).

4. Se seguirmos essas orientações, reconhecendo nossa lamentável condição e compreendendo que, por nós mesmos, nada podemos fazer, mas, sim, pela fé nos méritos de Cristo, então o poder do Espírito Santo será concedido e o pecado vencido!

Conclusão

1. Experimentemos a alegria da salvação, e dia após dia veremos em nossa vida a realidade da vitória que vence o mundo, a nossa fé. “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5:1 – ARC).

2. Não descansemos até que tenhamos entrado plenamente pela porta da fé, usufruindo a maravilhosa experiência do perdão, da justificação e da paz em Cristo.

 
Enviado por: Pr. Laercio Mazaro
Escrito por: Pr. Arthur G. Daniells
Presidente da Associação Geral
de 1901 a 1922

3 opiniões sobre “Pela Porta da Fé”

  1. Muito bom , vou pregar esta mensagem hoje aqui, em casa numa vigília de nosso pequeno grande grupo , o qual já tem mais de 50 pessoas , ore a Deus por nós irmãos e que possamos ser justificado pela fé em cristo jesus.

    1. Parabéns pela iniciativa e pela sua dedicação, Vanderlei. Que Deus abençoe a todos os alunos participante do grupo. E que bom que nosso material serviu para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *