Arquivo da tag: profecia

Comida quase de graça

comida

A profecia que estudaremos hoje foi feita por Eliseu, aproximadamente no ano de 892 AC. Foi dada quando Samaria estava cercada pelos exércitos da Síria. O texto está em II Reis 7:1: “Disse Eliseu: Ouvi a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor: Amanhã, por estas horas, haverá uma medida de farinha por um siclo, e duas medidas de cevada por um siclo à porta de Samaria”.

Para entendermos bem a profecia feita por Eliseu, precisamos conhecer o que estava acontecendo com Israel. Volto a lembrar que estamos estudando profecias bíblicas relacionadas com o reino do norte, que tinha a capital em Samaria. II Reis 6:24 e 25 relata:“… Ben-Hadade, rei da Síria, ajuntou todo o seu exército, subiu e cercou a Samaria. Houve grande fome em Samaria, porque a cercaram até que se vendeu a cabeça de um jumento por oitenta siclos de prata [912 gramas], e a quarta parte de um cabo [um pouco mais de um litro] de cebola selvagem por cinco siclos de prata [57 gramas]”.

Nessa época, Samaria estava sitiada. Ninguém podia sair e nem entrar. O estoque de comida estava chegando ao fim. A comida era pouca para alguns e para outros não havia mais o que comer. O pouco de comida que havia custava caro. O jumento, animal imundo para consumo humano, era vendido por altíssimo valor.

A fome chegou a tal ponto que um dia o rei passando pela cidade presenciou uma cena terrível. II Reis 6:25 a 29 conta: “Passando o rei de Israel pelo muro, uma mulher lhe bradou: Acode-me ó rei meu senhor. Que tens? Respondeu ela: esta mulher me disse: Dá cá o teu filho, para que hoje o comamos, e amanhã comeremos o meu filho. Então cozemos o meu filho, e o comemos. Mas dizendo-lhe no dia seguinte: Dá cá o teu filho para que o comamos, ela o escondeu”.

Eu creio que a esta altura você pode estar pensando o seguinte: Por que Deus permite tanto sofrimento? A grande verdade que Moisés já havia advertido era que se Israel se apartasse de Deus, seria vitima de dificuldades tão amargas ao ponto de os pais comerem a carne dos seus próprios filhos (Deuteronômio 28:53). Essa profecia se cumpriu de forma assustadora pelo menos três vezes com o povo de Israel. No cerco de Samaria, no cerco de Nabucodonosor em Jerusalém, e no cerco de Tito em Jerusalém no ano 70 DC. Deus fez de tudo para evitar que acontecessem coisas tão terríveis com o povo dEle. Deus, por ser um Deus de amor, não nos obriga; Deus é democrático, Ele apenas fala, apela, ensina e ao homem compete a escolha. Israel escolheu mal, muito mal, porque escolheu desobedecer a Deus.

Diante deste quadro de fome, dor e sofrimento, o profeta Eliseu é enviado com uma grande notícia em forma de profecia. “Amanhã, por estas horas, haverá uma medida de farinha por um siclo, e duas medidas de cevada por um ciclo à porta de Samaria” (II Reis 7:1).

Um capitão, ao ouvir o que Eliseu dizia, não acreditou e criticou dizendo que mesmo que Deus abrisse as janelas do céu, isto seria impossível. Em nossos dias encontramos pessoas que têm a mesma reação. Ao ouvirem o que Deus fala, muitos se levantam para criticar, zombar, desprezar. A Bíblia profetiza de grandes acontecimentos futuros, porém, para a maioria, a única coisa que sabem fazer é analisar pela lógica e dizer: isto é impossível, isto nunca vai acontecer. Eliseu ao perceber todo a descrença do capitão, afirmou: “Tu o verás com os teus olhos, porém não comerás” (II Reis 7:2).

Enquanto isso, quatro homens leprosos que viviam fora da cidade – por serem leprosos – concluíram que estavam prestes a morrer de fome. Morrer de fome ou assassinados pelos Sírios, não fazia nenhuma diferença. Por isso, decidiram ir ao acampamento dos inimigos para, talvez, conseguir alguma comida e permanecerem vivos por mais algum tempo. Chegando lá não encontraram nenhum soldado. Entraram na primeira barraca, comeram, beberam, pegaram roupas e dinheiro e esconderam longe dali. Voltaram ao acampamento e ao entrarem na segunda barraca, fizeram a mesma coisa. Após algum tempo, avaliaram a situação diferentemente: “Não fazemos bem. Este dia é de boas novas, e nos calamos. Se esperarmos até a luz da manhã, algum castigo nos sobrevirá. Pelo que vamos e o anunciemos a casa do rei” (II Reis 7: 9).

O que acontecera, afinal? II Reis 7:6 a 7, conta: “Pois o Senhor fizera ouvir no arraial dos Sírios um ruído de carros e cavalos, como o ruído de um grande exército, de maneira que disseram uns aos outros: Vede, o rei de Israel alugou os reis dos heteus e os reis dos Egípcios, para virem contra nós. Pelo que se levantaram e fugiram, ao crepúsculo, e abandonaram as suas tendas… e fugiram para salvar as suas vidas”.

Ao saber da novidade o rei de Samaria achou que era uma estratégia dos Sírios para a cidade ser aberta e conquistada finalmente. Mandou então alguns homens para ver se era verdade o que os leprosos estavam contando. Ao retornarem com as boas novas, toda a cidade saiu em busca de comida. E a profecia se cumpriu!

Na entrada da cidade tentaram organizar um mercado para vender a comida. A situação, porém, acabou ficando incontrolável e o capitão que tinha desprezado a palavra do Senhor morreu pisoteado pelas pessoas famintas (II Reis 7:20). Aconteceu conforme a profecia de Eliseu!

Amigo ouvinte, as profecias se cumprem sempre. Creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

 

Fonte:
Encontro com as Profecias
WGospel – Rede Maranatha de Comunicação

Milagre para um estrangeiro

naama

A profecia que estudaremos hoje foi feita por Eliseu, aproximadamente no ano de 894 AC. Esta profecia era condicional; ou seja, para ter o seu cumprimento ela dependia de algumas condições. Diz o texto: “Eliseu mandou um mensageiro, dizendo: Vai, e lava-te sete vezes no Jordão e tua carne te será restaurada, e serás purificado” (II Reis 5:10).

Para quem foi feita essa profecia? A Bíblia responde: “Ora, Naamã, chefe do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu senhor e de muito respeito, porque por ele o senhor dera livramento aos sírios. Este era um homem valente, porém leproso” (II Reis 5:1).

Naamã foi um homem muito respeitado e considerado pelo rei da Síria. Ele era o comandante do exército sírio em Damasco, quando Jorão era rei em Israel.

Naamã tinha fama, tinha prestígio, era rico, era conhecido e reconhecido como um homem corajoso e valente. Freqüentemente fazia investidas contra o território de Israel. Numa dessas ocasiões uma menina israelita foi capturada e levada para ser escrava na casa de Naamã (II Reis 5:2). A menina, cujo nome não é mencionado na Bíblia, ao chegar à casa de Naamã percebeu que este era leproso.

A lepra é mencionada várias vezes na Bíblia, tanto no Velho Testamento como no Novo Testamento. A manifestação da lepra começa com a descoloração da pele, aparecendo manchas branca ou rosa, na testa, nariz e boca. Essa área fica insensível ao tato e a dor. Este tipo de doença pode se espalhar rapidamente por todo o corpo. E aí vão surgindo inchaços e tumores esponjosos. A lepra afeta também os órgãos internos. Aparecem deformidades nas mãos e nos pés, quando os ossos começam a desaparecer.

O relato bíblico diz que a menina escrava sugeriu que o general fosse ao profeta Eliseu, em Israel, em busca da cura. Atente para esse detalhe. A menina cativa ajudou na cura de seu senhor. Ela poderia ter ficado em silêncio e deixá-lo com a doença ou simplesmente dizer: “Você destruiu a minha família, destruiu o meu povo, a minha cidade, azar seu, tomara que morra de lepra”. Ela não foi vingativa ou egoísta.

A menina estava em um lar pagão, mas não teve duvida em falar do Deus de seu povo. Na sua infância, com certeza, ela foi ensinada a ser uma adoradora de Jeová. Sabia que o poder do céu estava com o profeta Eliseu e cria que por este poder Naamã seria curado.

É dever dos pais oferecer educação religiosa aos filhos. Há pais que fazem isto de forma exemplar. Os filhos têm a própria Bíblia e são ensinados diariamente sobre as verdades do livro sagrado. Outros pais não estão preocupados com isto. Ao invés de uma Bíblia, dão de presente uma arma de brinquedo. Ao invés do culto familiar, os filhos são orientados pelas novelas da televisão.

Perceba que essa menina israelita foi fundamental na vida de Naamã. Ela fez a diferença. E nós, que somos pais, estamos preparando os nossos filhos para fazerem a diferença para melhor onde estiverem?

Quando se falou em uma possibilidade de cura, eu imagino que os olhos de Naamã tiveram um brilho especial. Havia esperança para um leproso. Os preparativos foram feitos, os documentos de apresentação elaborados e uma comitiva muito especial dirigiu-se para Samaria. II Reis 5:5 conta: “Naamã partiu, levando consigo dez talentos de prata, seis mil siclos de ouro e dez mudas de vestidos”. Traduzindo para as nossas medidas, Naamã levou aproximadamente 342 quilos de prata e quase 65 quilos de ouro.

Chegando a Israel, Naamã foi direto ao rei. Este, porém, ficou preocupado. Achou que era mais uma artimanha para um ataque aos israelitas. Eliseu soube do caso e pediu que o doente fosse até ele. A comitiva de Naamã chegou com toda a pompa de um general, mas diz a história bíblica que Eliseu nem foi recebê-lo. Apenas mandou a ordem por um mensageiro. “Vai, e lava-te sete vezes no Jordão…e serás purificado” (II Reis 5:10).

Ao dar essa ordem, o orgulho de Naamã foi ferido, e não agüentando a humilhação exclamou: “Não são Abana e Farfar, rios de damasco, melhores do que todas as de Israel”? II Reis 5:12. Em outras palavras: “Se era para vir e tomar banho no Jordão, eu podia mergulhar nos rios de Damasco.”

Naamã se recusava em obedecer, porém seus auxiliares o convenceram a fazer o que o profeta mandara, pois não tinha nada a perder. Finalmente Naamã foi até o rio Jordão e mergulhou as sete vezes e a profecia se cumpre. “Pelo que desceu, mergulhou no Jordão sete vezes, conforme a palavra do homem de Deus, e a sua carne foi restaurada, e se tornou como a carne de um menino” (II Reis 5:14).

Amigo ouvinte, se você deseja ser purificado, transformado, precisa descer até o Jordão. Isto significa humilhação. Enquanto não houver humildade no coração humano, é impossível ter a benção de Deus. Naamã não estava acostumado a se humilhar ou obedecer. Só os humildes conseguem obedecer. Somente a voluntária obediência traria os resultados desejados a Naamã e a nós também. Naamã só foi beneficiado quando cumpriu toda a ordem de Eliseu. Para Deus, amigo ouvinte, não existe obediência parcial. Ou obedece ou não obedece! Obedecer mais ou menos, nunca alcançará a cura da alma.

Hoje Deus quer purificar você das drogas, do vício, da prostituição, da mentira, do ódio mortal, do espírito de vingança, da pornografia, mas uma coisa é indispensável: obediência plena às orientações dEle. Você quer mudar? Comece ouvindo a voz dos profetas, estudando a Bíblia e você sentirá a verdadeira transformação que só Deus pode fazer.

Creia no Senhor e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

 

Fonte:
Encontro com as Profecias
WGospel – Rede Maranatha de Comunicação

Nunca ficamos sem nada

FAC035

A profecia de hoje envolve Eliseu, sucessor do profeta Elias, e uma mulher viúva e endividada. Aconteceu lá pelo ano 895 AC. II Reis 4:3 e 4. “Disse Eliseu: Vai, pede emprestadas vasilhas a todos os teus vizinhos, vasilhas vazias, e não poucas. Depois entra, fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, deita azeite em todas aquelas vasilhas, e põe à parte a que estiver cheia”.

Algumas rápidas informações sobre o profeta. Eliseu era filho de Safate, que era natural da cidade de Abél-Meolá, que ficava próxima do rio Jordão. O pai dele era um rico fazendeiro. A família de Eliseu viveu toda a crise de apostasia que Acabe levou a Israel, porém eles não dobraram em nenhum momento os joelhos diante de Baal.

Eliseu, em uma de suas viagens, encontrou uma mulher que estava com um grande problema. II Reis 4:1 conta: “Meu marido, teu servo morreu; e tu sabes que o teu servo temia ao Senhor. E veio o credor, a levar-me os meus dois filhos para serem servos”.

Essa mulher havia perdido o marido e herdara uma grande divida. Não tinha condições de pagar. Os credores tinham apenas uma coisa a fazer: levar os dois filhos como escravos. De fato este era um grande problema. Além de viúva, corria o risco de ficar sem os dois filhos. O desespero estava tomando conta desta pobre mulher.

Esta é, amigo ouvinte, a realidade da vida. Estar servindo a Deus não quer dizer que você estará isento de problemas. As dificuldades, os problemas, as tragédias poderão acontecer com qualquer pessoa, independentemente se ela é cristã ou não. Se você é um bom cristão, se você vive o evangelho, prepare-se também para enfrentar alguns problemas e pressões na vida.

O profeta Eliseu perguntou para a viúva o que ela possuía, além dos dois filhos. “A tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite” (II Reis 4:2). É interessante este ponto da história. Deus nunca deixa os seus filhos ficarem sem nada. Sempre você terá alguma coisa que Deus poderá usar para manifestar o poder dEle.

Amigo ouvinte, se você está em dificuldade, não fique prostrado. Olhe ao redor e vai ver que ainda sobrou alguma coisa. Deus nunca permite que seus filhos fiquem sem nada. Veja aí e certamente você vai encontrar algo para Deus usar em seu favor. E mesmo que você não encontre, Deus vai encontrar. Se você perdeu um familiar ou está com uma doença grave, lembre-se que Deus poderá agir através de meios que nós não podemos imaginar.

A viúva tinha apenas um pouco de azeite e nada mais. Humanamente era impossível pagar uma dívida, tendo apenas um pouco de azeite. O profeta dá, então, uma ordem bem específica: “Vai e pede para ti vasos emprestados a todos os teus vizinhos, vasos vazios, não poucos” (II Reis 4:3).

Para que tantos vasilhames vazios? A mulher precisava fazer algo na solução do problema. Ela teria que sair e pedir vasos emprestados a todos os vizinhos; porém, todos deveriam ser vasos vazios. Deus pediu vasos vazios porque às vezes o ser humano quer fazer a parte de Deus. A parte da mulher era sair e pedir vasos vazios. Ela poderia ser tentada a aceitar que alguém colocasse alguma coisa nos vasos emprestados. Por isso deveriam ser vasilhames vazios.

Amigo ouvinte, se você quer que Deus lhe ajude na solução do um problema, faça a sua parte. Se você está desempregado, faça a sua parte, saia e busque um trabalho honesto e decente. Se você quer que Deus atue em sua vida apresente-se a Ele, limpo, vazio, sem nenhum preconceito. Não vá a Deus cheio de idéias próprias. Vá a Ele vazio.

Os vasos emprestados foram recolhidos. Aqui há um detalhe importante. O profeta não deu o numero da vasos que eles deveriam pedir emprestado. A hora de provar a palavra do profeta chegou. Finalmente as tarefas foram distribuídas. Cada um no seu lugar. O trabalho começou e de um pouco de azeite, o primeiro vaso ficou cheio, o segundo, o terceiro e assim todos os vasos. Até que a mãe pediu mais um e o filho respondeu: “Não há mais vaso nenhum. Então o azeite parou”. II Reis 4:6 A palavra profética foi cumprida plenamente. Todos os vasos ficaram cheios. O problema financeiro estava resolvido.

Quero convidá-lo a mais uma reflexão. Sei que você, talvez, já ouviu muitas vezes esta história, mas já parou alguma vez para pensar na causa do azeite ter parado? “Ah! Parou porque não precisavam mais de azeite”. E se tivessem conseguido mais dez vasos, teriam azeite para eles? Eu creio que sim. Eliseu, não havia dado o numero de vasos a serem pedidos. A viúva pediu de acordo com o tamanho da fé que possuía. Se tivessem pedido mais, teriam recebido mais.

Amigo ouvinte, Deus é generoso para com os seus filhos, mas Ele nunca vai dar mais do que a minha capacidade de receber. Esta mulher mostrou o limite de sua capacidade. Não esqueça meu querido ouvinte, na maioria das vezes você está onde escolheu estar. Hoje, quem sabe, você reclama do marido, foi você que escolheu; os filhos dão muito trabalho, mas você decidiu tê-los. Portanto você está onde escolheu estar! Muitos tiveram chance de estudar, mas no tempo de estudar, matavam aula, brigavam com os colegas, e o estudo foi deixado de lado. Hoje choram por ter um salário baixo. Isto é verdade na maioria dos casos!

Segundo a descrição da Bíblia, a viúva vendeu o azeite e reuniu o suficiente para pagar a divida que seu marido deixara e ainda sobrou para a sobrevivência dela e dos filhos.

Amigo ouvinte, esta profecia mostra o grande interesse que Deus tem por nós quando estamos com problemas. Creia nesse Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

 

Fonte:
Encontro com as Profecias
WGospel – Rede Maranatha de Comunicação

O doente vai morrer!

acazias

Após a morte de Acabe, rei de Israel, um novo rei foi nomeado. Acazias foi o oitavo rei de Israel e reinou apenas dois anos. Jezabel, mãe de Acazias, exerceu uma péssima influência na sua vida e no seu reinado. O período de seu governo foi de 853 a 852 AC. Ao assumir o reino, enfrentou o primeiro problema. Os moabitas se recusaram a pagar tributo a Israel, o qual constituía de cem mil ovelhas e o mesmo numero de carneiros (II Reis 1:1).

A profecia de Elias, que vamos analisar hoje, não foi feita diretamente para o rei Acazias e sim para os servos dele que estavam indo consultar a Baal Zebube, deus de Ecrom. “Por isso assim diz o Senhor: Da cama, a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás. Então Elias partiu” (II Reis 1:4).

Nos dois anos em que reinou, Acazias “fez o que era mau aos olhos do Senhor, porque andou nos caminhos de seu pai, como também andou nos caminhos de sua mãe… Serviu a Baal, e o adorou, e provocou a ira do Senhor Deus de Israel” (I Reis 22:54). Acabe e Jezabel ensinaram o erro de forma magistral. Acazias não os decepcionou.

Que tremenda responsabilidade é criar um filho. Os filhos são a continuação dos pais. Se você, pai que está me ouvindo agora, quer que seu filho seja honesto, pratique e defenda a honestidade na frente deles. Se você quiser que seu filho não seja um viciado em coisas que não prestam, não beba e nem fume junto e também longe dele. Há muitos pais que até chegam a castigar seus filhos quando são crianças por encontrarem com um cigarro na boca. Mas, que moral tem tal pai ou tal mãe para fazer isto se fumam na frente dos filhos? Pai, seu filho será você amanhã! Veja como anda porque, ele copiará tudo, e depois não vai adiantar chorar o mau exemplo dado.

Acazias estava num quarto de seu palácio e caiu. A Bíblia conta que era um quarto elevado. Em Samaria tudo o que podia ser realizado pela medicina da época foi feito, mas o rei não estava conformado com o seu estado de saúde, e pediu aos seus assessores que fossem até a cidade de Ecrom, no território dos filisteus, para ali consultar o deus Baal-Zebube, que quer dizer “o senhor das moscas”. Acazias queria saber se sararia dessa doença. Acreditava-se que o deus de Ecrom, dava informações sobre o futuro através de um médium dentre os sacerdotes. Dizem os historiadores que um grande número de pessoas ia até Ecrom para consultá-lo.

O grupo foi enviado e Deus deu uma ordem ao profeta. “Mas o anjo do Senhor disse a Elias, o tesbita: Levanta-te, sobe para te encontrares com os mensageiros do rei de Samaria e dize-lhes: Não há Deus em Israel, para irdes consultar a Baal Zebube, deus de Ecrom?”

Após fazer esta pergunta, Elias mesmo dá a resposta de Deus para que os mensageiros levassem a Acazias. Os servos do rei interromperam então a viagem e voltaram o mais rápido possível para contar a Acazias o que havia acontecido.

Note a descrição bíblica deste momento da história. “E os mensageiros voltaram para o rei, e este lhes disse: Que há que voltastes? Responderam eles: Um homem nos saiu ao encontro e nos disse: Ide, voltai para o rei que vos mandou, e dizei-lhe: Assim diz o Senhor: Não há Deus em Israel, para consultar a Baal-Zebube, deus de Ecrom? Portanto da cama, a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás” (II Reis 1:5-6).

Quando o rei ouviu esse relatório, logo perguntou como era o homem. Pela descrição feita, tinha quase a certeza de que era o profeta Elias. Enviou então dois grupos de soldados para intimidar a Elias, e os militares foram mortos pela ira de Deus. Quando o terceiro grupo chegou, Deus permitiu que o profeta deveria ir à presença do rei e repetir as mesmas coisas que já havia dito aos mensageiros.

Talvez você esteja se perguntando: “Por que Deus tratou esse doente dessa maneira?”

Quando estamos doentes, o que mais desejamos é a cura. Talvez neste momento esteja falando para alguém que está sofrendo dores horríveis e o que mais deseja agora é a libertação da dor. Mas, amigo ouvinte, não esqueça que há a maneira correta e o local correto para buscar a cura. Cristo disse: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (João 10:10).

Acazias havia testemunhado as maravilhosas obras de Deus. Havia visto também as terríveis conseqüências que seu pai havia sofrido por ter adorado a Baal. Acazias viu um povo sendo destruído pela seca, que durou três anos, porém, simplesmente deixou de lado os reclamos da lei de Deus e tratou tudo isso como se fossem apenas tolas histórias. O resultado é que morreu, conforme a profecia.

Amigo ouvinte, Deus abomina a idolatria e a feitiçaria (Apocalipse 21:8). Por isso, apelo a você que está com alguma doença ou sofrendo porque já gastou tudo com tanta coisa inútil: busque a Deus. Não se envolva com feiticeiros, curandeiros e afins. Entregue sua vida ao Dono da vida, a Fonte da vida! Se Ele, em sua providência, achar que a cura é o melhor para você dê graças a Deus. Porém, se o nosso Deus achar que você deve permanecer com essa dor, Ele dará, como deu ao apóstolo Paulo, forças e condições de suportar. “A minha graça te basta”, é a promessa dEle!

Creia em Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará.

 

Fonte:
Encontro com as Profecias
WGospel – Rede Maranatha de Comunicação

Guerra perdida

acabe

A profecia que vamos estudar hoje envolve o rei Acabe, rei de Israel (parte norte) e Josafá, rei de Judá (parte sul) e vários profetas falsos sustentados por Acabe e Micaías, filho de Inlá que foi profeta do Senhor em Samaria.

É bom lembrar que estamos estudando algumas profecias históricas, com o objetivo de ressaltar a veracidade da Palavra de Deus. Estas profecias servem para nos levar a crer plenamente na Bíblia.

Para entendermos a profecia, vamos analisar o contexto histórico em primeiro lugar. Acabe tinha feito uma aliança militar com a Síria, país vizinho de Israel, para enfrentar os Assírios, que estavam tendo um crescimento muito grande naquela época. Segundo o texto bíblico, o pacto de paz durou pouco tempo entre Israel e Síria. “Passaram-se três anos sem haver guerra entre a Síria e Israel” (I Reis 22:1).

Após três anos de trégua, o rei de Israel, resolveu tomar a cidade de Ramote-Gileade, que já havia sido de Israel no tempo de Davi e Salomão. Ramote-Gileade, ficava a leste do rio Jordão e nos dias de Salomão fora um centro administrativo. Também era uma cidade estratégica, por estar na divisa entre Israel e Síria. Nessa cidade havia um posto militar, de muita importância. Nos dias de Acabe, Ramote-Gileade estava sob o domínio dos Sírios, e na visão do rei chegara a hora de lutar para ter a cidade de volta para o domínio de Israel.

Em I Reis 22:2 é dito que Josafá, rei de Judá, foi visitar Acabe, rei de Israel. Por que o rei de Judá – Sul – estava visitando o rei do norte – Israel? Atalia, filha de Acabe, e provavelmente também filha de Jezabel, tinha sido dada como esposa de Jeorão, filho de Josafá, rei de Judá. Essa mulher herdou toda a idolatria e maldade de sua mãe Jezabel. Por esta razão os dois reis mantinham esta relação de amizade e cooperação.

Quando Josafá chegou ao palácio de Acabe logo ele o convidou para fazerem uma pequena guerra contra seus vizinhos, os Sírios. “Então perguntou a Josafá: Irás tu comigo a peleja, a Ramote-Gileade? Respondeu Josafá ao rei de Israel: Serei como tu és, e o meu povo como o teu povo, e os meus cavalos como os teus cavalos” (I Reis 22:4).

Um pouco sobre Josafá. Ele foi o quarto rei de Judá e começou reinar com 35 anos; e reinou 25 anos em Jerusalém. Ele era um rei temente a Deus.

Mesmo Josafá sendo um fiel servo de Deus, cometeu dois erros neste episódio. O primeiro erro foi ter dado a sua palavra que iria a guerra e só depois consultou ao Senhor. Hoje muitas pessoas agem dessa mesma maneira. Não buscam ao Senhor antes de se envolverem em um novo projeto. Só buscam ao Senhor de uma forma intensa, depois do projeto em andamento e se algo começou a dar errado.

O outro erro de Josafá foi se envolver em uma guerra que não lhe dizia respeito. O problema era de Acabe e não de Josafá. O mesmo acontece hoje em dia. Encontramos pessoas que são peritas em se meter na vida dos outros. Não são convidadas, mas vivem dando opinião sobre a vida alheia. É muito comum presenciarmos esse problema com os recém casados. É uma tendência natural de muitos pais se envolverem com os problemas normais da nova família. Pais não devem mais estar dando opinião ao jovem casal sem serem convidados. Os pais quando convidados são apenas conselheiros. Não devem se meter nos problemas da nova família. Com Josafá foi diferente. Meteu-se nos problemas de Acabe e foi condenado pelo profeta.

Josafá pediu a Acabe que os profetas fossem chamados para saber nessa decisão. Os profetas vieram e disseram que poderiam ir à luta, porque teriam grande êxito nessa guerra. Josafá desconfiou do exagero dos profetas e perguntou se havia mais algum outro para ser consultado. Acabe disse que havia, mas esse não era do seu agrado porque sempre profetizava coisas negativas a seu respeito.

Contra a vontade de Acabe, Micaías foi chamado. E a princípio, de forma sarcástica, disse que poderiam ir e que teriam êxito, mas o rei pediu que falasse a verdade. Então ele faz uma profecia dramática para Israel. “Vi todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não tem pastor” (I Reis 22:17).

Acabe, após ouvir a profecia de Micaías, disse a Josafá: “Não te falei que este só profetiza o mal? Deu então Acabe a ordem para que prendessem a Micaías. ‘Metei este homem no cárcere, e sustentai-o com pão e água, até que eu volte em paz’. ‘Se voltares em paz, o senhor não falou por mim’”, respondeu Micaías (I Reis 22:27-28).

Acabe e Josafá não foram suficientemente humildes para aceitarem a ordem do Senhor. Partiram para a guerra com o Sírios. Acabe não mudou, porque já havia decidido ir independentemente de ser ou não a vontade de Deus. Josafá tinha que ir porque havia dado a sua palavra. Durante o combate, Acabe foi atingido por uma flecha e no final da tarde veio a morrer. A Bíblia conta: “E depois do sol posto passou um pregão pelo exército dizendo: Cada um para a sua cidade, cada um para sua terra” (I Reis 22:36). A palavra profética de Micaías se cumpriu ao pé da letra. Acabe foi morto, Josafá fugiu, Israel perdeu a guerra, o exército foi disperso e a cidade de Ramote-Gileade continuou nas mãos dos Sírios.

Não duvide das profecias, amigo ouvinte. Nem sempre a maioria está com a razão. Por isso creia no Senhor Deus e você estará seguro. Creia nos profetas dEle e você prosperará!

 

Fonte:
Encontro com as Profecias
WGospel – Rede Maranatha de Comunicação